Em cima da hora:
Projeto contra corrupção do MPF já coletou mais 31 mil assinaturas na PB
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • Audiência sobre racismo em obra de Monteiro Lobato termina sem acordo


    13/09/2012 às 01:11h
    Recomendar

    Terminou sem um acordo formal a audiência de conciliação realizada ontem pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar resolver impasses em torno da adoção de livros de Monteiro Lobato pela rede pública de ensino

    O assunto está sob análise do STF porque o Instituto de Advocacia Racial e Ambiental (Iara), uma entidade do movimento negro sediada no Rio de Janeiro, protocolou um mandado de segurança sustentando, entre outros argumentos, que o livro Caçadas de Pedrinho, do escritor paulista Monteiro Lobato (1882-1948), contém "elementos racistas".

    A reunião de ontem, que contou com a participação de integrantes do Iara e do Ministério da Educação (MEC), não conseguiu resolver completamente a pendência. Ficou acertado que um novo encontro ocorrerá no próximo dia 25, no MEC. Nesse encontro será discutida a implementação de medidas como o treinamento dos professores que ministrarão aulas com base na obra de Monteiro Lobato.

    Advogado e diretor do Iara, Humberto Adami disse que as duas partes estão em negociação. Se for fechado um acordo, o STF homologará a desistência do mandado de segurança

    Adami afirmou que, ao partir para a negociação, tanto o governo quanto o Iara cederam. "Audiência de conciliação é isso. Você não pode chegar e dizer que quer 100%. Tem de ceder para chegar a um ponto médio", afirmou o advogado. Antes da audiência, Adami disse que o livro incentiva o bullying nas escolas. "Não ninguém, ao não ser o Ziraldo, que não traços racistas na obra de Monteiro", disse.

    Nessa negociação, o governo aceitaria discutir a implementação das medidas que envolvem, por exemplo, a capacitação dos professores para explicar aos alunos o contexto em que a obra foi escrita. Quanto ao instituto, o recuo seria aceitar a manutenção de um parecer do MEC que liberou a adoção dos livros desde que fosse fixada a implementação das medidas.

    Discussão. Para o professor Paulo Vinícius Baptista, do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade Federal do Paraná (UFPR), "a obra tem conteúdo racista, mas não é possível afirmar com segurança o tipo de dano às crianças no momento da leitura". 

    Para o escritor Ilan Brenman, autor de A Condenação de Emília: o Politicamente Correto na Literatura Infantil, "não é possível a criança virar racista lendo Caçadas de Pedrinho. Elas estão mais interessadas nas trapalhadas que na cor de pele dos personagens". Opinião semelhante tem o membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), Ivan Junqueira: "Não se deve tomar nenhuma providência com relação a eventuais traços racistas de obras da literatura brasileira, senão não ficaríamos somente em Monteiro Lobato."

    FONTE: Estadão



Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia