Em cima da hora:
GM investe US$ 500 milhões em rival do Uber
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • Escola em Bonfim de Feira faz evento de saúde pública


    15.11.2017 15h55m
    Recomendar

    Nesta quinta-feira (16), acontece no Colégio Cupertino de Lacerda, no distrito de Bonfim de Feira, o evento Saúde em foco, que começa 8h30.

    Serão oferecidos à população diversos serviços, como:

    * Aferição de pressão;
    * Teste de glicemia;
    * Palestras:
    - Saúde da mulher e do homem
    - Saúde Mental.
    - Hipertensão e Diabetes.

    Durante o evento ocorre também um Bazar Solidário para arrecadar fundos para a comemoração do encerramento do ano letivo do colégio estadual.

    A diretora, Neide Rodrigues, professores e alunos convidam toda a comunidade para participar. 



  • Buraco do Joaquim, nos Olhos D’águas das Moças: a estratégia para fugir dos castigos da escravidão em Feira de Santana


    03.11.2017 12h01m
    Recomendar

    Com o tema “Fazendo Memória e Re-conhecendo a/s história/s do nosso lugar”, estudantes e professores da Escola Municipal Crispiniano Ferreira da Silva, localizada na comunidade Olhos D’Água das Moças, a 2km da Matinha, região reconhecida como remanescente quilombola, realizaram pesquisa sobre a importância do Buraco do Joaquim como rota de fuga utilizada por negros para se livrarem do castigo da escravidão em Feira de Santana.

    A “descoberta” da existência de um lugar cujas características reportou estudantes e professores aos tempos da escravidão os estimulou a saber mais sobre o mesmo e a selecioná-lo como espaço a ser visibilizado dentro da proposta do Projeto “Feira Que Te Quero Ver”, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Educação, que este ano priorizou o patrimônio histórico-cultural local para valorizar o universo onde a escola está inserida.

    A visita ao “Buraco do Joaquim” contou com o apoio do Ten. Cel. José Alberto Silva Junior, comandante do 2° GMB e do Secretário de Meio ambiente Sergio Carneiro. O Suporte dado pelo Corpo de Bombeiros e pela Secretaria de Meio Ambiente tornou possível adentrar no interior do buraco e passar pela experiência sensorial que fez pensar nas diferentes possibilidades dos sujeitos que por ali passaram em tempos distantes. 

    No interior do referido buraco existem passagens que dão acesso a outros lugares, porém, por recomendação do corpo de bombeiros, para garantir a segurança dos estudantes, dos professores, estagiários e curiosos das proximidades que também resolveram entrar para conhecer o ambiente quase lendário, a visita ficou limitada a um espaço mais restrito e próximo à entrada.

    Com o suporte dos referidos órgãos, que com lanternas especiais iluminaram o local ajudando inclusive a afastar os morcegos, os atuais moradores do espaço, e contribuíram para que professores e estudantes dialogassem um pouco no local sobre as possíveis dificuldades enfrentadas por quem, em fuga, queria livrar-se dos castigos da escravidão e conquistar a tão sonhada liberdade passando por aquele lugar. 

    Apresentação na escola 

    As experiências e descobertas vivenciadas no Buraco do Joaquim foram socializadas na própria escola com a apresentação do projeto. As atividades contaram com apoio da Gestora, profa. Irlete Fontes, da Coordenadora profa. Adriana Peixinho e dos professores Edivan Maia Railda Neves.

    Já a mesa de honra foi composta por estudantes do 8º e 9º ano, tanto no matutino quanto no Vespertino. Isto para evidenciar a importância do protagonismo dos educandos enquanto sujeitos e autores da história. “Além de nos ajudar a saber quem somos, conhecer melhor o nosso passado, nos faz ter orgulho de nós mesmo e de nossa origem”, afirmou a estudante Núbia. “O projeto nos ajudou a conhecer histórias de nosso passado que estavam esquecidas”, completou.

    O silêncio que marcou a leitura do texto poético produzido pelos discentes foi entendido como resultado de uma aprendizagem significativa cujo alcance transcende o momento presente. Tendo priorizado a realidade local, a visibilização de lugares e sujeitos do cotidiano valorizou ou contribuiu para despertar o sentimento de pertença nas pessoas da localidade e não apenas dos estudantes. 

    Em meio a educadores emocionados e estudantes felizes com o resultado do trabalho, a escola aproveitou o ensejo para ratificar a importância da história oral para o nosso aprendizado e reafirmá-la como herança africana. 

    O projeto concorre na categoria vídeo do Feira que te quero Ver. A cerimônia de premiação dos trabalhos mais votados está prevista para a primeira quinzena deste mês. 



  • De unidade de ensino a abrigo de marginais: o colapso do colégio Carlos Valadares em Bonfim de Feira

    Reportagem: Danilo Guerra / Fotos: Enviadas por leitores-internautas
    03.11.2017 09h36m
    Recomendar

    Inaugurada na década de 40, período em que o mundo enfrentou os ardis da segunda guerra mundial, o Colégio Estadual Dr. Carlos Valadares, primeira escola pública do distrito de Bonfim de Feira, está em estado de completa ruína. Extinto em 29 de novembro do ano passado pelo Governo do Estado da Bahia, o prédio, que antes servia como espaço de formação educacional e descoberta de vocações profissionais, virou abrigo de marginais, usuários de drogas e moradores de rua.

    Quem olha para o colégio do meio hoje (o prédio é ladeado por duas outras escolas: Cupertino Lacerda e Álvaro Boaventura, esta recém-reformada pelo administração municipal, mas aquela também condenada a ruir) e contempla o estado deplorável em que ela se encontra, sente nostalgia de um tempo que a escola era viva e possibilitadora da realização de sonhos.

    Destruíram o encanto

    A paisagem já não encanta mais. Vidros quebrados, dejetos fecais por todos os lados e um odor horrendo dão sinais de que o comando agora é de “pivetes”, que vagam pelo espaço tomado pelo matagal para se drogarem além de, segundo relato de moradores, cometerem atos libidinosos. 

    Um funcionário do Cupertino, que não quis ser identificado, informou que têm vândalos q jogam pedras no telhado das salas durante a aula e que já viu eles fumando drogas dentro do prédio público. “Faz 15 dias que um deles pulou o muro deste colégio e ameaçou um aluno”, afirmou. 

    “Tem um rapaz que é usuário de drogas e fica lá no Valadares. Um dia ele pulou o muro do Cupertino e entrou na sala do primeiro ano. Está um perigo, a situação está insustentável. Estamos com medo de a qualquer momento eles invadirem a escola e nos tornar reféns desse processo. Tá difícil pra nós professores”, informou outra educadora que também é ex-estudante da escola degradada e ensina nas escolas vizinhas. 

    A revolta popular

    As queixas são crescentes na comunidade que assiste com o sentimento de revolta a decadência do prédio escolar que abriga um legado grande da história da educação daquele distrito. “É uma tristeza ver a degradação do patrimônio público”, afirmou um morador, autor das fotos que ilustra essa reportagem, que também terá sua identidade preservada. 

    Muitos professores também entraram em contato com o Folha do Estado para denunciar o descontentamento com o fechamento da unidade de ensino, que já chegou a abrigar salas de aula com 35 a 40 alunos em turnos diferentes. “Estudei no Carlos Valadares, o antigo primário, que tinha o nome de Escola Dr. Sabino Silva, e fico indignada com o descaso do Governo do Estado”, relatou uma professora que estudou lá na década de 50. 

    O caso tá tão grave que professores das escolas ladeadas já reclamam dos novos vizinhos que, como se não bastasse a prática das ações citadas acima, ainda “sobem no muro e ficam perturbado os alunos que estão em aula”, afirmou uma professora (identidade foi preservada) que na década de 70 também foi estudante desta escola.

    Sugestões para recomeçar 

    A sugestão dos funcionários, no entanto, é que o posto policial, que hoje funciona em um microespaço anexo ao antigo posto de saúde do distrito, passe a funcionar neste espaço, já que é uma instituição também gerida pelo Estado. Além disso, a comunidade também sugere que se crie ali um espaço para eventos juntamente com uma área de lazer, assim supriria uma grande lacuna na comunidade. 

    “Há uma necessidade que temos de um local para fazer encontros culturais, intercâmbio social, hospedagens de policias em festas de grande porte e de componente das bandas que aguardam até a festa começar e como o Valadares tem uma estrutura muito ampla, poderia ser reformado para atender uma dessas necessidades”. 

    O que diz o Governo

    Diante do caos, a nossa equipe de reportagem indagou a Secretaria de Educação do Estado sobre a situação da escola e que medidas seriam tomadas para evitar que a comunidade continuasse vulnerável à ação dos marginais uma vez que a comunidade, sobretudo estudantil, não suporta mais a situação crítica que enfrenta. 

    Em reposta, a assessoria da Secretaria informou apenas que “está elaborando um projeto de ampliação e levantamento dos serviços para reforma do prédio, para voltar a funcionar como unidade de ensino”, mas não informou quando isto será realizado. As atividades do Valadares foram encerradas em 2015. Os 54 estudantes foram transferidos para rede municipal e a unidade escolar foi extinta em 29 de novembro de 2016.



  • 1
Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia