Em cima da hora:
GM investe US$ 500 milhões em rival do Uber
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • Inscrição para seleção do Pré-vestibular Cidadão começa dia 3


    27.01.2015 19h44m
    Recomendar

    As inscrições para a seleção às 240 vagas oferecidas pelo Pré-vestibular Cidadão vão ser iniciadas no dia 3 e encerradas dia 19 de fevereiro, sempre das 14h às 20h.
    As provas estão marcadas para o dia 22 de fevereiro, no Centro Integrado Joselito Amorim, e a aula inaugural, em 10 de março, no salão principal da Igreja do Avivamento Bíblico, próximo da praça Duque de Caxias, início da avenida Senhor dos Passos.
    O público alvo é o inscrito na Bolsa Família. Por tanto, o candidato deve apresentar o NIS (Número de Inscrição Social), mais cópias de documentos pessoais, e ser egresso de escola pública.
    O pré-vestibular, criado em 2001, é mantido pela Prefeitura de Feira de Santana e os professores são alunos da UEFS (Universidade Estadual de Feira de Santana), que estejam semestralizados e a partir do sexto semestre.
    “Estes estudantes carentes são preparados para enfrentar a concorrência na disputa das vagas que a cada dia se torna acirrada”, disse a diretora do Departamento de Cidadania e Segurança Alimentar, Ivone Magalhães.
    De acordo com ela, aproximadamente 40 alunos do pré-vestibular foram aprovados nos últimos vestibulares, principalmente em cursos oferecidos pela UEFS.

    Fonte: Secom/PMFS



  • Abertas as inscrições para os 71 cursos de segurança pública da Rede EAD

    O prazo vai de 27 de janeiro a 2 de fevereiro de 2015.
    27.01.2015 15h29m
    Recomendar

    Estão abertas as inscrições para os 71 cursos da Rede Nacional de Educação a Distância para Segurança Pública (Rede EAD). O prazo vai de 27 de janeiro a 2 de fevereiro de 2015.

    A Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça (Senasp/MJ) oferece capacitações gratuitas para profissionais da Polícia Civil, Polícia Militar, Bombeiro Militar, órgão de Perícia Criminal, Guarda Municipal, Policia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Sistema Prisional de todo o país. Há cerca de 200 mil vagas.

    Para a inscrição é necessário acessar o endereço https://ead.senasp.gov.br. As matrículas serão homologadas após comprovação do vínculo funcional junto às instituições dos profissionais. Cada aluno pode fazer até dois cursos.

    “Prestes a completar 10 anos, essa ação do Ministério da Justiça visa a capacitação continuada dos profissionais da segurança pública, independentemente das limitações geográficas, sempre considerando as peculiaridades institucionais existentes”, afirma a secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki.

    Cursos inéditos
    Dois cursos são inéditos: o de Necropapiloscopia e o de Prevenção e Enfrentamento à Tortura. Outros três são ofertados em versão atualizada. São os de Investigação Criminal 1, Análise Criminal 1 e Uso da Informação em Segurança Pública.

    As aulas deste 33º ciclo de capacitação da Rede EAD Senasp/MJ ocorrerão no período de 3 de março a 7 de abril para as capacitações com carga de 40 horas. Os cursos com 60 horas começam na mesma data, mas terminam no dia 22 de abril.

    A realização de cursos da Rede EAD é fruto de acordos de cooperação federativa celebrados entre o Ministério da Justiça, por intermédio da Senasp, e os governos estaduais e municipais, por intermédio das Secretarias de Estado de Segurança Pública e Prefeituras.

    Para tirar dúvidas o candidato pode enviar um email para [email protected]

    Fonte: Ministério da Justiça



  • Rede Municipal ganha o reforço de mais 54 professores


    27.01.2015 13h43m
    Recomendar

    A rede municipal de educação ganhou o reforço de mais 54 professores para o início do ano letivo. Os novos docentes foram empossados pelo prefeito José Ronaldo de Carvalho na manhã dessa terça-feira, 27, em solenidade realizada no Salão de Reuniões do Paço Municipal Maria Quitéria. Eles assinaram o Termo de Compromisso de Posse e vão cumprir o estágio probatório no período de três anos.
    Os novos professores já participarão da Jornada Pedagógica 2015, que será iniciada no dia 2 de fevereiro. “Será a oportunidade para realizarem o planejamento pedagógico visando o início das aulas”, explicou a secretária municipal de Educação, Jayana Ribeiro. No dia 9 os docentes se apresentam nas respectivas unidades de ensino em que vão atuar.
    A secretária observa que a chegada dos novos professores atende à necessidade da rede municipal de ensino para o ano letivo 2015. “Isso representa uma maior tranquilidade para iniciarmos as atividades. Desde 2013 já convocamos mais de 500 professores aprovados em concurso público”, aponta.
    O prefeito José Ronaldo de Carvalho deu boas vindas aos novos servidores e ressaltou o compromisso do Governo Municipal com a qualidade do ensino. “Muitos professores e professores que estão sendo empossados já atuaram na rede municipal como estagiários e conhecem o ritmo de trabalho e as exigências”, pontua.
    Na oportunidade também foi empossado um motorista – aprovado no último concurso público. Acompanharam ainda a solenidade o secretário Municipal de Administração, João Marinho Gomes Júnior, e o vereador José Carneiro.

    Fonte: Secom/PMFS



  • Colégio Eraldo Tinôco abre vagas para curso noturno


    27.01.2015 13h35m
    Recomendar

    O Colégio Estadual Eraldo Tinôco de Mello, situado no conjunto Jomafa está com matrículas abertas para turmas de Aceleração 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries, turmas de Humanas e Exatas do turno noturno, para o ano letivo de 2015.
    O cronograma de matrículas na rede estadual começa no dia 24 de fevereiro mas, os interessados podem realizar a pré-matrícula na instituição.Podem se matricular alunos a partir de 18 anos.
    Para efetuar a matricula o aluno precisa comparecer a unidade, situada à rua Senador Quintino s/n, no turno noturno, a partir das 19h. Os alunos que efetuarem a matricula contarão com quadra poliesportiva, sala de informática e biblioteca. As aulas terá início no dia 9 de março.



  • Nos 4 anos de Dilma, MEC teve a pior execução de orçamento desde 2001


    26.01.2015 15h28m
    Recomendar

    O primeiro governo de Dilma Rousseff (PT) ampliou recursos destinados à educação, mas seu mandato registrou a menor média de gasto efetivo do orçamento autorizado desde 2001. Nos quatro anos da gestão, o Ministério da Educação (MEC) gastou efetivamente apenas 77% do dinheiro disponível. Essa média é menor que a execução de fato do orçamento total, que foi de 82% no período.

    As contas expressam uma contradição. Cada vez o país tem mais dinheiro para educação - chegando a um orçamento de R$ 101 bilhões em 2014 -, mas ao mesmo tempo uma fatia menor desse dinheiro é gasta. Restrições orçamentárias, investimentos em obras inacabadas e falhas de gestão são alguns dos motivos apontados por especialistas.

    Para o segundo mandato, a presidente lançou o slogan "Brasil, Pátria Educadora". Além de o porcentual pago sobre o orçamento autorizado ser menor em educação do que a média total, a primeira gestão teve execução abaixo do registrado nos dois governos de Luiz Inácio Lula da Silva e nos dois últimos anos da gestão Fernando Henrique Cardoso.

    Os dados foram analisados a partir da plataforma Mosaico, criada pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV-DAPP). As informações são extraídas do Siga Brasil, sistema do Senado de acesso à execução do orçamento. Em 2014, ano eleitoral, houve a maior execução no orçamento da MEC desde o início da gestão: foi gasto 79% do total autorizado para o órgão. Mesmo a melhor marca de execução do governo, registrada no ano passado, é ainda menor que a de todos os anos entre 2001 e 2010. Desde o começo da década passada, a pior execução ocorreu com Dilma. Foi em 2012, quando 73% do dinheiro direcionado à educação foi de fato pago - no orçamento total daquele ano, a média de gasto havia sido de 83%.

    O orçamento tem quatro passos principais: a autorização de gasto, o empenho (em que o governo indica o pagamento), o liquidado (quando o serviço é executado) e o pago. Esse último estágio é quando o dinheiro foi de fato transferido. No caso de obras, o pagamento ocorre apenas quando tudo foi entregue. Os números não levam em consideração restos a pagar, que são empenhos do orçamento de um ano que podem ser usados em exercícios seguintes. O MEC defende que o grau de empenho foi elevado.

    Motivos
    De acordo com o coordenador de Pesquisa da FGV-DAPP, Rafael Martins de Souza, vários fatores colaboram para uma execução baixa. "Pode haver mudança de prioridades do governo, mas alguns gastos são de execução mais difícil, como ocorre com obras."

    Especialista em financiamento da educação, o professor Nelson Amaral, da Universidade Federal de Goiás (UFG), diz que já havia detectado em seus estudos queda na efetivação dos orçamentos anuais da educação desde o ano de 2008. "O nível de investimentos, além do custeio, foi se intensificando, sobretudo nas obras das universidades federais. Empenha-se muito, mas as obras atrasam e não se paga."

    O professor Amauri Fragoso de Medeiros, tesoureiro do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes), afirma que o MEC tem deixado para empenhar os recursos no fim do ano. "Os empenhos chegam em dezembro e não dá mais tempo de gastar. É a estratégia do governo há muito tempo. Assim, os recursos passaram a ser devolvidos sem que as universidade cumpram os orçamentos."

    O professor Rubens Barbosa de Camargo, da USP, lembra que o governo federal tem segurado recursos. "Gastar dinheiro público tem múltiplos interesses e procedimentos não tão simples. Qualquer tipo de economia leva a atrasos."

    Ampliação
    Mesmo com execução orçamentária abaixo da média, os gastos com educação tiveram forte ampliação no governo Dilma. Nos quatro anos, a área recebeu R$ 265 bilhões, valor nominal 93% superior ao gasto no segundo mandato do governo Lula. Se os valores de cada ano são atualizados pela inflação, essa alta é de 55%. Já entre 2003 e 2010 o orçamento da educação havia mais que dobrado. No governo Dilma, foi a primeira vez que a proporção da educação passou a representar mais de 5% do orçamento previsto e também do gasto.

    Ministério
    O Ministério da Educação defende como execução o porcentual de orçamento empenhado. Segundo nota da pasta, o governo empenhou 99% do orçamento autorizado de 2014. O mesmo índice é apontado nos outros três anos do governo Dilma Rousseff (PT). "Só pode haver pagamento mediante a entregue efetiva do produto/serviço por parte do fornecedor", argumenta a pasta.

    O valor empenhado é o primeiro estágio da despesa pública. "O empenhado é uma indicação que o governo vai gastar recursos. É artifício utilizado no fim do ano para garantir recursos do orçamento. Se não empenhar, você perde", explica a pesquisadora da FGV-DAPP Andressa Falconiery. No ano passado, o governo federal realizou alguns contingenciamentos de recursos. Houve atrasos, por exemplo, em bolsas de mestrado e doutorado desde novembro, como o jornal O Estado de S. Paulo revelou em dezembro. Segundo a pasta, os pagamentos foram liberados para processamento no dia 9 de janeiro. O Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), em que há repasse para escolas estaduais e municipais, também teve atrasos.

    O MEC ressaltou em nota que analisar o porcentual pago apenas em relação à dotação autorizada, sem levar em consideração o crescimento do volume de pagamentos "não demonstra o que efetivamente ocorreu". Em 2014, foram gastos R$ 79,7 bilhões, ante R$ 53,6 bilhões em 2011 - aumento de 49% no valor nominal. Com a atualização inflacionária, o salto de pagamentos foi de 25%. Entretanto, o governo deixou de gastar nos quatro anos cerca de R$ 88 bilhões de orçamento autorizado e não pago (em valores atualizados pela inflação).

    O freio nos gastos já está valendo neste ano. Enquanto o orçamento de 2015 não é aprovado, foi congelado um terço das despesas de custeio. Só no MEC, a estimativa de corte é de R$ 7 bilhões no ano.

    As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



  • MEC deve reabrir esta semana sistema para inscrições no Fies


    26.01.2015 15h17m
    Recomendar

    O Ministério da Educação (MEC) deve abrir nesta semana o sistema informatizado para inscrições do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), conforme informou hoje (26) o secretário executivo da pasta, Luiz Cláudio Costa. O site do programa está fora do ar para adequação às portarias editadas pelo MEC, em dezembro do ano passado, alterando regras do Fies.

    Com as mudanças, passa a ser exigida nota mínima de 450 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para obter o financiamento. Além disso, o estudante não pode ter tirado 0 na redação. Antes, era preciso apenas ter feito o exame.

    A portaria proíbe ainda que o aluno acumule bolsa do Programa Universidade para Todos (ProUni) e o financiamento em cursos diferentes. A complementação das bolsas parciais no mesmo curso e na mesma instituição continua sendo permitida.

    As instituições de ensino superior privadas ficaram insatisfeitas com as mudanças e buscam diálogo com o MEC. De acordo com o secretário, o diálogo com as instituições será mantido, seguindo o pressuposto da qualidade. “O ministério dialoga, como sempre faz, com todo os setores, mas dentro do pressuposto da qualidade. O diálogo é permanente”, disse Costa, acrescentando que esta é a orientação do ministro da Educação, Cid Gomes.

    “O primeiro compromisso do ministro Cid Gomes com o Ministério da Educação é com a qualidade. É o que também espera a sociedade. Temos de ter muita atenção para que nossos jovens tenham mais oportunidades na educação superior, mas sempre com esse pressuposto da qualidade.”

    No último dia 21, a Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep) recorreu à Justiça contra as alterações. A federação protocolou mandado de segurança coletivo, pedindo liminar protetiva para que as mudanças não sejam aplicadas.

    Fonte: Agência Brasil



  • Pesquisador feirense ministra curso em Simpósio Nacional


    21.01.2015 17h55m
    Recomendar
    Pesquisador feirense ministra curso em Simpósio Nacional
    Antonio Jorge Sena dos Anjos, Licenciado em Física pela UFBA; Mestre em Educação – UFBA; professor da UEFS

    “Unidade de Didática para o Ensino de Física com base na Teoria da Aprendizagem Significativa”, é a temática do curso a ser ministrado pelo pesquisador feirense, Professor e Doutor Antonio Jorge Sena dos Anjos, no XXI Simpósio Nacional de Ensino de Física (26 a 30 de janeiro), tendo como local a Universidade Federal de Uberlândia, em Minas Gerais.
    O Simpósio Nacional de Ensino de Física, que acontece por biênio, é promovido pela SBF – Sociedade Brasileira de Física. E, tem como público alvo professores e estudantes de graduação em Física, tendo como objetivo fundamental: “reunir a comunidade científica para debater sobre temas relacionados com a pesquisa e o Ensino de Física, além do mais conta com participantes do Brasil e do Exterior”, assinalou o professor Antonio Jorge, convidado pela SBF, para ministrar este curso.
    Aproximadamente duas mil pessoas participarão ativamente deste conclave, entre estudantes, professores, pesquisadores, que terão a oportunidade de frequentar cursos, oficinas, palestras, exposições, mostras, encontros e debates.
    PERFIL
    Antonio Jorge Sena dos Anjos, Licenciado em Física pela UFBA; Mestre em Educação – UFBA; professor da UEFS; professor e diretor geral do Colégio Gênesis, Feira de Santana; Membro da Sociedade Brasileira de Física; Doutor em Ensino de Ciências, Universidad de Burgos – Espanha.
    Ministra cursos e palestras em eventos especiais realizados em diversas cidades do Brasil e do Exterior, a exemplo de Portugal e Colômbia.

    Texto: Paulo Norberto
     



  • Fórum das ADs se reúne e volta a discutir indicativo de greve


    20.01.2015 17h16m
    Recomendar

    Ontem (19) aconteceu na Adusb (Associação de Docentes da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia), na cidade de Vitória da Conquista, a primeira reunião do Fórum das Ads este ano. Com a presença de representantes das quatro associações, o encontro foi o pontapé inicial para a construção unificada da campanha 2015 do movimento docente das Universidades Estaduais do estado.

    Com um longo debate que fez análise da atual conjuntura do Brasil e de suas relações exteriores, tanto na perspectiva econômica e social, apontou para qual horizonte o movimento sindical deve seguir para combater os ataques do capital e os avanços da burguesia. Sendo cada vez mais claras as investidas do interesse imperialista e o comprometimento do PT com o capital estrangeiro, os presentes chegaram à conclusão unânime de que um difícil período se aproxima principalmente para a luta dos trabalhadores e das conquistas dos movimentos sociais e populares. A nova composição tanto no Congresso Nacional quanto na Esplanada dos Ministérios é só mais um sinal de como a conjuntura política no país é delicada para a classe trabalhadora.

    Fonte: Ascom/Adufs



  • Prefeitura de Eunápolis oferece 399 vagas com salários de até R$ 3,5 mil


    19.01.2015 17h45m
    Recomendar

    Está aberto até o dia 8 de fevereiro, o processo de inscrição para o concurso público da Prefeitura Municipal de Eunápolis. De acordo com o edital, serão oferecidas 399 vagas em funções dos níveis Fundamental, Médio e Superior. Os salários variam de R$ 724,00 a R$ 3,5 mil. Os interessados podem acessar o site da empresa organizadora do certamente www.msmconsultoria.com.br até a data limite e efetuar a inscrição nos valores de R$ 36,00 a R$ 150,00
    Cargos:
    As ofertas são para os cargos de administrador, administrador em marketing, agente de trânsito, agente de desenvolvimento de crédito, arquiteto, arquivista, assistente social, auditor fiscal, auxiliar de saúde bucal, bibliotecário, biólogo, bioquímico, motorista de ambulância, economista, eletricista, encanador, enfermeiro, engenheiro ambiental, engenheiro civil, engenheiro de alimentos, engenheiro elétrico, engenheiro florestal, estadista, farmacêutico, farmacêutico auditor, fiscal ambiental, fiscal de obras e posturas, fiscal de polícia administrativa, fiscal imobiliário, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, inspetor sanitário, médico, monitor, monitor de informática, motorista, músico terapeuta, nutricionista, odontólogo, pedreiro, pintor, procurador jurídico, professor, psicólogo, psicopedagogo, servente de pedreiro, supervisor de alimentos, técnico ambiental, técnico auxiliar de regulação médica, técnico em contabilidade, técnico em enfermagem, técnico em informática, técnico em laboratório de prótese dentária, técnico em radiologia, técnico em farmácia, técnico em tomografia, técnico em topografia, terapeuta ocupacional, turismólogo, veterinário e zootecnista.

    O concurso público será realizado em duas etapas, sendo a primeira constante de prova objetiva de múltipla escolha e a segunda de prova de títulos para Professores. As provas objetivas serão realizadas provavelmente no dia 12 de abril de 2015, no turno matutino ou vespertino nas Escolas no Município de Eunápolis-BA.
     

    Acesse aqui o edital completo



  • Professores avaliam a educação brasileira a partir dos resultados do Enem


    19.01.2015 11h13m
    Recomendar

    Reportagem: Danilo Guerra e Lais Sousa

    Foto: Márcio Filho (Ana Rita) e arquivo pessoal (Carlos Magno)

    Após média geral do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ser divulgada na última terça-feira (13), relatando nos índices que, dos 6,2 milhões de candidatos que participaram do Enem em 2014, 8,5% dos participantes zeraram a prova de redação - motivo da eliminação e impossibilidade de 529 mil alunos utilizarem suas notas para concorrer a vagas no ensino superior -, o Folha do Estado procurou os professores Ana Rita e Carlos Magno, profissionais rotulados da área de Educação, para discorrer a respeito do cenário de ensino no Brasil.

    Carlos Magno Vitor da Silva é mestre em Literatura e Diversidade Cultural pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2008), Membro da Academia de Letras e Artes de Feira de Santana e da Academia de Cultura da Bahia. Atualmente Carlos atua como professor de Língua Portuguesa e Metodologia do Trabalho Científico na Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC) e professor-tutor de Letras na Uniasselvi.

    Ana Rita e Carlos Magno não estranham o resultado do Enem. "O resultado de redação no Enem reflete que a educação brasileira não vai bem. Os alunos estão saindo da educação básica - período em que devem construir uma base para entrar no ensino superior - sem o domínio da leitura e da escrita". Isto porque, completa Magno, o modelo pedagógico tradicionalista, superado no discurso, mas não na prática, é baseado "no 'decoreba', sem reflexão crítica e de pouca ênfase na leitura e produção textual".
    O ponto chave das provas de redação do Enem, segundo a professora, é sempre uma situação-problema no país e pede proposta de mudança. "Isto está ligado com o próprio conceito de cidadania. 'É muito legal' a gente ser cidadão só colocando defeito no outro, mas se estou vendo problemas ao meu redor, devo apresentar propostas, ver alternativas de mudança. A prova pede coisas dessa natureza, tratar do tema, não somente despejando conteúdo teórico, mas mostrando prós e contras, de repente, e propondo mudanças. O Enem explora o olhar crítico de alguém que, conhecendo tudo sobre um assunto, sabe o que fazer em relação a ele", orienta Ana Rita.


    De quem é a culpa?


    "Já passou de tempo de procurarmos culpados", afirmou a consultora educacional. "Quando procuro culpado me isento da responsabilidade", explicou. Segundo ela, todos são responsáveis. Os governantes devem cumprir a função que lhes cabe; a mídia, que tem exaltado a média em detrimento da aprendizagem; os pais, que devem ser referências; a escola, que deve ensinar a ler e escrever com visão crítica e argumentativa em todas as disciplinas e os alunos que devem estar interessados. "Educar todo mundo e todo mundo educa! A gente educa pelo gesto, pelo exemplo e pelo que e como comunica".
    Para o professor Carlos, o Ensino Médio está defasado e o Superior comprometido. Segundo ele, 37% dos alunos de nível superior são analfabetos funcionais, "mal sabem ler e escrever". Isto porque há uma negligência com o sistema educacional brasileiro. Segundo ele, a presidente Dilma começou seu novo mandato anunciando a educação como uma de suas prioridades governamentais com o lema "Brasil: Pátria Educadora". "Mas sua primeira medida foi diminuir o orçamento do Ministério da Educação, que sofreu o maior corte, de R$ 7,042 bilhões. Estamos cansados de projetos demagógicos", afirmou.
    Lembrando ainda o discusso de posse da presidente, Ana Rita declara: "Que ela não entenda que prioridade das prioridades é ter um prédio bonito, com parafernália tecnológica, porque podemos ter tudo isso e os resultados continuarem os mesmos por falta de aprendizagem", advertiu.

    Ana Rita de Almeida Neves é graduada em Letras pela Universidade Estadual de Feira de Santana (1974), de onde é professora aposentada. Além disso, tem curso de Especialização em Conteúdos e Métodos do Ensino Superior (1974), em Texto e Gramática (1999) e Gestão Escolar (2007). Ex-Secretária Municipal da Educação em Feira, Ana Rita é também professora especialista da Faculdade Anísio Teixeira, trabalha com formação continuada e consultoria em instituições públicas e privadas como o Colégio Gênesis, onde também ensina Língua Portuguesa.
     

    Contraste e descaracterização


    Nos resultados do Enem houve um contraste. Enquanto as notas da redação caíram, a média geral de Linguagens e Códigos (508,1) aumentou em relação a edição de 2013. Os resultados ainda são muito sutis para Ana Rita, que aponta que mesmo com a pequena elevação, os resultados ainda continuam no limite."No universo de quase 6 milhões de candidatos é uma elite que tem uma média significativa. Mesmo aqueles que não zeraram, não constroem bons textos" avaliou a professora e acrescentou: "A nota boa não significa que o sujeito aprendeu. Alguém pode saber toda a teoria do assunto, mas não estar capacitado estabelecer 'links' como o mundo prático".
    Já para o professor Carlos, o disparate aconteceu porque há um problema de letramento e "não há interesse dos governos" que a população seja letrada, ao passo em que também afirmou que ensinar esta competência é uma das razões de a escolar existir. "Concordo plenamente com o Prof. Carlos Ceia quando afirma que a leitura de textos exige uma competência específica, não universal, não partilhada por todos os falantes e/ou ouvintes, e é susceptível de ser treinada e aperfeiçoada. Essa é a tarefa da escola: desenvolver as competências textuais dos seus educandos".
    A professora Ana Rita aponta que o Enem ganhou dimensão diferente daquela quando foi criado como estratégia do MEC para analisar as carências do ensino médio para que sejam estruturadas e ter virado método de ingresso no ensino superior. "O Enem ganhou dimensão, mas perdeu o objetivo de identificar dificuldades a serem corrigidas. Esta prova, como toda prova, visa a nota. O resultado dessa prova dará direito a muita gente de entrar na universidade ou conhecer outros países, abre um leque maravilhoso de oportunidades para um jovem seguir adiante, mas, muito mais que uma pontuação, deve ser observado em que nível o domínio do conhecimento está. As notas são consequências, o ensino deve trabalhar as dificuldades. A competitividade gera ansiedade que não permeia a aprendizagem, e sim a nota. A mídia deve mesmo repercutir a preocupação com resultados como este".


    Esperança


    Carlos Magno e Ana Rita acreditam na possibilidade de mudança do quadro.
    "Eu sou professora e não quero perder a esperança. A coisa pode ser diferente. Acho que tem alguns movimentos que já fazem alguma diferença. Tímidas ainda, mas já demonstram preocupações em termos de iniciativas, projetos, para investir em construções, formação de professores, preocupação com o piso salarial dos professores". Ela acredita no desenvolvimento do setor, caso o ministro Cid Gomes da Educação se cerque de pessoas que conhecem, entendam e vivenciem a realidade do ensino no país.
    "Creio que para melhorar a educação no Brasil, não basta apenas construir mais prédio; é preciso investir na valorização: em primeiro lugar, da educação pública como direito social inalienável, imprescindível; segundo, resgatar a dignidade e qualificação do profissional docente e, finalmente, investir em infraestrutura tecnológica e predial de nosso sistema educacional", afirmou o professor Carlo e fez uma alerta: "Enquanto não se priorizar, de fato, a educação, como o fizeram a Alemanha, a China, o Japão, no período pós-guerra, não daremos esse salto para o futuro e a transformação de nossa sociedade".
    Segundo ambos é preciso ter visão e paixão pela educação. Afinal, palavra educar vem do latim e significa "extrair de dentro". "Como se fosse puxar para fora uma potencialidade que você tem, ai você vai crescendo, aprendendo, vai se educando a qualquer momento", concluiu a educadora.
     



  • Concurso: Prefeitura de São Felipe oferece 123 vagas e salários de até R$ 5 mil


    19.01.2015 10h06m
    Recomendar

    A partir de hoje (19) a Prefeitura Municipal de São Felipe (a 140 km de Feira de Santana) abre inscrição em concurso público para provimento de 123 vagas em cargos de níveis fundamental, médio e superior com salários que variam de R$ 724 a R$ 5 mil.
    O certame oferece vagas para nutricionista, médico, controlador municipal, assistente social, professor, psicólogo, auxiliar administrativo, motorista, coveiro, recepcionista, gari, eletricista, servente, auxiliar de creche, pedreiro, vigilante, fiscal de tributos entre outros.
    Os interessados podem se inscrever até o dia 03 de fevereiro através do site http://www.consultorialideranca.com.br. Os valores da taxa de inscrição são R$ 40, R$ 50 e R$ 70. O concurso terá validade de dois anos e poderá ser prorrogado.

    Acesse o edital completo aqui
     



  • Nota 1.000 no Enem, cearense estuda até 10 horas por dia e sonha em ser médico


    15.01.2015 17h54m
    Recomendar

    Antônio Ivan Araújo, de 18 anos, conseguiu ficar entre os 250 vestibulandos brasileiros que atingiram a nota máxima na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014. O jovem, que sonha cursar Medicina na Universidade Federal do Ceará (UFC), preparou-se para a prova escrevendo redações diariamente, durante uma carga horária de 10 horas, com aulas, laboratórios e estudos em casa. A mãe emociona-se por ver o êxito do filho e sonha junto com ele.

    O tema da redação do último Enem não agradou a todos. Para Ivan, não foi difícil escrever sobre publicidade infantil. Ele conta que tentou ser criativo. A dificuldade era sua caligrafia. Seus professores reclamavam que não conseguiam entender sua letra. “No começo, eu achava que era implicância de professor, até o dia que a minha professora usou uma lupa para enxergar o que eu tinha escrito. Quando eu fui passar a redação a limpo, quase desenhei as letras”, conta.

    Não é a primeira vez que Ivan tenta ser aprovado para o curso de Medicina na UFC. Sua primeira tentativa foi em 2013, quando terminou o Ensino Médio, mas sua nota não foi suficiente. Conseguiu passar para o segundo curso mais concorrido do Ceará, Engenharia Civil, mas desistiu de cursar para se preparar novamente e tentar o curso dos sonhos mais uma vez. “Como foi por pouco que eu não entrei, pensei ‘não estou tão longe, vale a pena tentar de novo'”, afirma.

    Em nome dos estudos, abdicou da diversão durante o ano passado. “Eu só saía às vezes, pra ir ao cinema com alguns amigos, mas o que eu sentia mais falta era de ler livros que não fossem sobre as matérias que caíam no vestibular. Quando eu não estava estudando, estava lendo jornal”, relata. O estudante sonha em ser médico desde os doze anos de idade e já sabe até que áreas poderá se especializar. “Gosto muito de cardiologia, mas eu acho que se ficar com medo da pressão de salvar vidas, vou querer trabalhar com algo estético, vou ser cirurgião plástico“.

    Durante 2014, a rotina de Ivan dividia-se entre aulas e horas extras de estudo. Pela manhã, tinha as aulas preparatórias no cursinho do colégio Master, voltava à casa para almoçar e logo retornava ao colégio para passar a tarde estudando e escrevendo redações. Durante a noite, quando chegava em casa, o candidato ainda tinha fôlego para continuar estudando. No começo, Ivan fazia uma redação por semana e quando outubro chegou, mês que antecedeu o Enem, o estudante passou a escrever uma ou mais redações por dia. Seu segredo era escrever diferentes textos sobre o mesmo tema. “Eu pegava temas amplos. Por exemplo, ‘lixo’. Aí, eu ía pesquisar na internet várias coisas sobre o lixo e fazer redações diferentes”, revela.

    A mãe é a principal incentivadora. Dona Nair é dona de casa e emociona-se ao ver “os filhos encaminhados”. Ela conta que por motivos de saúde, temeu por não estar presente para ver o êxito do filho. “Eu falava que, pelo menos, eu iria poder morrer feliz, vendo todos os meus filhos no caminho certo”, conta chorando de felicidade. Era ela quem não deixava Ivan desistir quando o cansaço dos estudos batia à porta. “Eu acordava ele ir para aula e quando ele não aguentava mais estudar, eu ficava insistindo. Dizia ‘vá, meu filho, volte pro colégio para estudar'”.

    Confiante, Ivan tem certeza de que vai conseguir realizar seu sonho. Não há nenhum outro curso como “plano B”, apenas outras universidades que pode cursar, caso não consiga entrar na UFC. Além da redação, o rapaz também acertou quase todas as questões de matemática e foi bem nas outras três provas. Para ele, ficar entre os 250 candidatos que atingiram mil pontos é uma grande vitória. Dona Nair, que não esconde o orgulho, diz que sempre soube do potencial do filho.

    Texto e fotos: TRIBUNA DO CEARÁ



Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia